Eu sou normal, eu estou no Twitter

Eu sou normal, eu estou no Twitter

No intervalo de três dias, participei de dois debates em São Paulo sobre o Twitter. No primeiro, na Livraria Cultura, o professor José Luis Goldfarb contou que tuitou durante a defesa de uma tese de doutorado, na USP. No segundo, no MIS, o publicitário Michel Lent falou do prazer que sente ao ser reconhecido na rua como o “Lent do Twitter”.

Enquanto debatíamos no MIS, o jornalista William Bonner, editor-chefe e apresentador do “Jornal Nacional”, escrevia: “Hoje é o aniversário do meu triozinho. Quem quer que eu transmita os parabéns por favor diga EU!”. Um pouco antes disso, o jogador Kaká, um dos melhores do mundo, pedia: “Queria lançar para vocês a CAMPANHA WALLPAPER. Preciso de um wallpaper legal e criativo para colocar aqui no twitter!!”

No debate promovido pela produtora de diversão digital Pix, o psicólogo André Camargo foi convocado à mesa para tentar explicar o fenômeno. Não conseguiu. Um repórter da MTV pediu a Lent que definisse o Twitter em 140 caracteres. Ele também não conseguiu.

Wagner Martins, o Mr. Manson, saiu-se melhor. Para ele, o Twitter é um “papo de boteco” – uma definição em 14 caracteres. Pessoalmente, acho que é mais que isso, mas também não me julgo capaz de explicar o fenômeno.

Em resposta a um estudante da UNB, que há duas semanas me pediu para definir o Twitter em 140 caracteres (ô perguntinha original), escrevi: “O Twitter me parece ser uma ótima ferramenta para trocar informações relevantes, ouvir piadas novas e saber da irrelevância da vida alheia”.

Tenho consciência que não é uma definição que dá conta da complexidade desta ferramenta. Ao contrário, relendo hoje, vejo que a minha frase é pobre e ignora diferentes efeitos que o Twitter começa a provocar.

Fui convidado a participar destes dois debates porque nos últimos meses escrevi alguns textos sobre o Twitter. Relatei a hilária tentativa de Marcos Mion e amigos de convencer um ator americano a gritar “fora Sarney” (Ashton Kutcher dá lição de política a brasileiros no Twitter), levantei uma discussão sobre as primeiras iniciativas de promover propaganda disfarçada por aqui (Publicidade velada no Twitter causa polêmica) e narrei o famoso incidente que ocorreu com a apresentadora Xuxa (A desastrada aventura de Xuxa pelo Twitter ).

Ah, e como acaba de me lembrar @juhsuedde (pelo Twitter, é claro), antes disso eu havia feito a experiência de passar 24 horas tentando me comunicar com o mundo exclusivamente por meio da nova ferramenta (Um dia no Twitter).

Nenhum deste textos me transformou num especialista no Twitter, mas confesso ter muito interesse pelo assunto. Depois de pouco mais de um ano postando (e me divertindo), tenho muito mais dúvidas do que certezas. Um fenômeno, porém, me parece claro. O Twitter produz, num primeiro momento, um deslumbramento. É impossível não se deixar encantar pela velocidade e proximidade da “relação” que se estabelece com os seus seguidores.

Com o tempo, o usuário vai percebendo os limites e problemas desta relação. Alguns, como a Xuxa, tropeçam; outros, parecem entender melhor. Para quem tem a vocação e/ou a alma da publicidade e da auto-promoção, observo que parece ser mais difícil temperar o deslumbramento. São pessoas que acreditam, como Biz Stone, criador da ferramenta, que “o Twitter não é um triunfo da tecnologia, mas um triunfo da humanidade”. Lamento por estes.

0 Replies to “Eu sou normal, eu estou no Twitter”

  1. O Twitter me parece mais uma dessas coisas que daqui a algum tempo as pessoas se perguntarão como perderam tanto tempo com isso.

  2. AMIGOS, PARA MIM ESSE TWITTER NAO PASSA DE UMA REVISTA CONTIGO VIRTUAL. NAO ACRESCENTA NADA AO POVO. ESSE NEGOCIO DE DISCUTIR TEMAS IMPORTANTES COMO POLITICA, EMPREGO, SAUDE E OUTROS SAO INOCUOS. O QUE ADIANTA DIZER FORA SARNEY. SAO SO PALAVRAS. PALAVRAS NAO MUDAM NADA. O BRASIL PRECISA DE AÇÃO E NAO DE PALAVRAS. O TWITTER NAO TEM O PODER DE MOBILIZAÇÃO E MESMO QUE TIVER NAO PODE LUTAR CONTRA O SISTEMA INFELIZMENTE. REPITO: REVISTA CONTIGO VIRTUAL.

  3. Somos reféns deste mundo moderno e sua tecnologia, fiquem um mês se gastar horas no mundo virtual , aprenda a andar descalço na terra , sentir o som dos passáros e ver o mundo ao vivo e real ai notaremos que somos mais prisioneiros sem causa!!!!

    @maricesarlomant

    assistam isso é divertido!!!!
    http://www.youtube.com/watch?v=PN2HAroA12w

  4. Vc é demais. Muitos tentam explicar o fenômeno “Twitter” mas poucos conseguem. Está chegando perto.
    🙂
    Parabéns!
    Jana

  5. Tem lá alguma utilidade, mas como quase tudo na internet, é uma profunda babaquice, mas o que seria dos espertos se não fossem os t….

  6. Me desculpem, mas acho esse lance de twitter uma bobagem sem fim. Tem a cara da grande maioria dos nossos jovens. uma coisa rasa, superficial. Me desculpem e não se ofendam, ma s a palavra que me vem à cabeça é IMBECILIDADE.

  7. Twitter? Nunca entrei na página! E nem me atraiu em nada! Gosto de ler livros, escutar música, curtir a família e …. navegar um pouco na NET, ninguém é de ferro!

  8. Espero que alguém responda a minha pergunta!!

    Não é cansativo ter que todos os dias postar em blogs, twitter colunas, etc…
    Acredito que eu não conseguria ficar muito tempo na frente de uma tela postando algo que muitas vezes é irrelevante!!!!
    Queria saber d vcs se é ou não uma rotina cansativa!

  9. hahahha Boa Rodrigo !!!!
    Mais não tenho iphone hehehe

    (mas a vida é assim mesmo….somos refens mas acredito eu que somos felizes….)
    Concordo com vc!!!!

    Beijos e até !!!!

  10. KARAKA!!!! OHH JORGE MANDOU BEM HEIN!!!!! REVISTA CONTIGO VIRTUAL..É ISSO AÍ.. NÃO ACRESCENTA EM NADA!!! O grande “problema” da humanidade é este querer estar no Bum do momento..tds querem estar onde é o UP… ahh fala sério..MODISMO??? só pra não ficar pra tráz..Tou fora faz tempo… Bahhhhh… É BEM POR AÍ MARCOS..ALgo que daki uns tempos…as pessoas se perguntarão como perderam tanto tempo com isso.

  11. Acho o twitter uma excepcional ferramenta de informação.E é democrático, você escolhe o quer seguir e ser seguido.Prefiro ver “spam”no twitter do que no meu email. Não sou obrigado a twittar e nem ficar lendo todo o dia. É a ferramenta que permite maior liberdade no mundo virtual. E ninguém fica o enchendo o saco.

  12. Até agora ainda não me convenci da real necessidade de “twittar”.

    O que vejo é muito mais um modismo do que algo que vá facilitar a minha vida. O chamado fim em si mesmo: não utilizo porque me traz benefícios mas porque… ora, todo mundo usa sei lá porque, então não posso ficar de fora!

    A não ser que seja algo profissional ou muito específico, a febre da twitter se baseia na vontade de aparecer e se sentir importante, comentado, falado. No fundo, quando se pensa no usuário comum (o zé ninguém), ninguém dá a mínima para o que o outro (o zé fulano) faz. Tudo se resume a uma infantil competição de seguidores, a nova unidade de medição de status (lembram quando explodiu o Orkut e havia a “síndrome do me add”?).

    Pior é quando tentam justificar o uso da ferramenta com os motivos mais estapafúrdios e nonsense. Coisa do nível “agora pelo twitter já sou capaz de saber, em tempo real, se está chovendo na minha cidade”. Pois é, janela pra que né?

  13. Eu sou normal. Não tenho, detesto, acho conversa de botequim, e para finalizar, jamais terei.
    Os que gostam, e são…….., façam bom proveito!

  14. Arcanjo, gosto de internet, mas não fico horas em frente não.
    Acho que passar o dia e até a noite em frente ao pc não é vida.

  15. Twiter me parece algo vazio, “é um estágio avançado de blognite…” É o cúmulo da perda de tempo…. , Não é absolutamente nada novo…, Afff esse negócio de seguidores de twiter, chega a dar azia…. ” Eu sou seguidor do fulano” ahuummmmmmmmmmm. Twiter é Tosko.

  16. A grande sacada do twiter foi as celebridades. Um tempo atrás o twiter já estava na degola, foram necessários alguns investimentos em marketing (milhões de dolares) para criar essa moda. Caiu no gosto das celebridades, porquê? era a forma de combater as notícias “vinculadas” e não confirmadas de outras “fontes”. Com o twiter as celebridades poderiam desmentir informações e manter o seus fãs por perto (seguidores), é mais um meio de promoção e segurança na especulação da vida alheia. Para os outros, simplesmente, moda e diário eletrônico. Se é válido vai da subjetividade de cada um.

  17. Nossa, estou me sentindo uma E.T., pois não possuo Orkut e nem sei como funciona o Twiter (na verdade não tenho interesse), já basta o MSN que me consumia por várias horas.
    Deixei de fazer muitas coisas por conta disso.
    Continuo com o MSN, acessando blogs (inclusive já fiz amizades), mas limito o meu tempo.
    Abraços,
    Helen

  18. queria mais 65 caracteres pra acrescentar, no fim da sua definição:

    “…e deixar as pessoas saberem da irrevelância da sua própria vida”.

  19. Só quem tem Twitter e segue gente relevante (para quem os lê, óbvio) é que gosta e entende.

    Não adianta nada alguém seguir o perfil da minha mãe por exemplo, ele não é relevante para ninguém além das amigas dela.

    Eu tenho blog, sigo os blogueiros mais influentes e que me servem de algo no Twitter. Basta apenas descobrir quem pode te oferecer algo em 140 caracteres.

    Não somos apenas seguidores, somos espectadores com poder de interagir imediatamente e diretamente.

  20. Prefiros os blogs, porque o twiter é muito cotidiano e simplificado demais. Que interesse eu teria em saber que os gemeos fizeram aniversário, ou a filha da Xuxa não sabe escrever?

  21. Existe uma frase mais ou menos assim “Posso tudo, mas nem tudo me convém” . Eu também não tenho twitter, mas acho legal, com certeza se algum dia eu me interressar vou fazer um.

  22. Celebridades? pessoas famosas você quer dizer. Celebridade pra mim é Ghandi, Einstein, Madre Tereza, Chaplin, Irmã Dulce, Chico Xavier, etc, etc, etc

  23. hoje em dia com a evolução da internet tudo fazemos qdo estamos conectados tipo orkut msn ate entendo o uso dessas ferramentas , mas algo pra seguir supostas celebridades , ah fala sério ne tenho coisa melhor pra fazer , e ainda tem gente q se submete a isso .Onde vamos parar ……….

  24. Me julgo um dinossauro no meio de tanta rasgação de seda sobre esste tal de “Tuite”. Acho que é uma barulheira danada, um monte de mensagens privadas que não tem pé nem cabeça para quem não é da panela, enfim, uma grande bobagem. Sou muito mais blogs, de onde se extrai alguma coisa de bom.

  25. Da wikipedia, sobre o Hemingway:

    The original short short story. In the 1920s, Hemingway bet his colleagues $10 that he could write a complete story in just six words. They paid up. His story: “For sale: Baby shoes, Never worn.”

  26. Imagina isso eh coisa da sua cabeca, eh claro q quem nw tem twitter eh normal. Eu tenho e estou odiando.
    Q exagero

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *