Leonard Cohen, aos 75 anos, emociona em disco ao vivo

Leonard Cohen, aos 75 anos, emociona em disco ao vivo

É sempre um pouco chato falar de um disco que não foi lançado no Brasil (encontra-se apenas a versão importada, com preço salgado), mas não resisto, neste caso.

Trata-se de “Live in London”, álbum duplo, com a íntegra de um concerto que Leonard Cohen apresentou na O2 Arena, no dia 17 de julho do ano passado. O show integrou uma longa turnê pela Europa, a primeira em 15 anos. Para os fãs, que acompanham a carreira dessa figuraça, é um disco emocionante.

São duas horas e meia de música, nas quais o poeta canadense, generoso, desfia 26 canções de seu repertório – incluindo, obviamente, “I´m Your Man”, “So Long Marianne”, “Suzanne”, “Hallelujah”, “Bird on the Wire”, “Anthem” e “Dance Me To The End of Love”, entre muitas outras.

Entendo perfeitamente o leitor que conhece pouco ou, mesmo, nunca ouviu falar do músico. Leonard Cohen é um desses artistas cuja importância não se mede em números de vendagem, mas pela influência que exerce em seu meio.

Uma pequena amostra da sua influência pode ser vista no documentário “Leonard Cohen: I´m Your Man”, exibido na Mostra de Cinema de São Paulo em 2007, no qual músicos como Bono Vox e The Edge (U2), Nick Cave, Beth Orton e Rufus Wainwright interpretam canções e reverenciam o mestre.

Com sua voz forte, mas arranhada, de cantor de boate esfumaçada, Leonard Cohen se diz um judeu budista. Na década de 90, morou alguns anos num mosteiro. Está com 75 anos, plenamente na ativa. “Live in London”, aliás, emociona também por esse aspecto: não é todo dia que se vê e ouve um tiozinho nesta idade, mandando ver, em cima de um palco!

Há coisa de cinco anos, Cohen tornou público que foi enganado por seu empresário e contador, tendo perdido alguns milhões de dólares. Não sei se devemos a esta infeliz circunstância o fato de manter-se na ativa, encarando os palcos como um garoto. Quem o viu de perto, ano passado, não conseguiu deixar de se emocionar, como relatou Marcelo Costa em seu blog e é possível testemunhar no vídeo caseiro que registra um dos momentos mais intensos do show.

Quem sabe a Sony BMG não se sensibiliza e manda uma versão brasileira de “Live in London” para as lojas?!

6 Replies to “Leonard Cohen, aos 75 anos, emociona em disco ao vivo”

  1. Tambem espero pela sensibilidade (!?) da Sony BMG e fico esperançoso pela chegada de “Live in London” do excelente Cohen.

  2. Ví um documentário no GNT (talvez um fragmento) .Não o conhecia nem de ouvir falar.Fiquei impressionado pela força das letras , de um lirismo raro , que chega a ferir pela lucidez.

  3. Esse CD é espetacular, bem gravado, bem arranjado, maravilhosamente bem interpretado por Cohen e banda. Um dos melhores de 2009.

  4. Está aí mais um sujeito que realmente viveu intensamente, lutou, sofreu, viu, ouviu, cantou e que, agora, está pronto para a morte, o prêmio da vida.

Deixe uma resposta para Beto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *