O diretor, a atriz e o luto

O diretor, a atriz e o luto

Mostra SeloNão se deixe levar pela sinopse publicada no jornal: “Mulher de meia idade casada com médico workaholic conhece rapaz que a faz se sentir jovem”. Muito mais que isso, “Alga Doce” é um exercício cinematográfico complexo, de alta densidade e beleza, que envolve um filme dentro de um filme, ambos protagonizados por uma grande atriz, Krystyna Janda, mais uma vez dirigida por Andrzej Wajda, um dos nomes mais importantes do cinema polonês.

WajdaKrystyna Janda foi a protagonista de dois filmes célebres de Wajda, “O Homem de Mármore” (1976) e “O Homem de Ferro” (1981), com os quais o diretor fez a crítica do autoritarismo do regime comunista. Em “Alga Doce” ela relata para a câmara sua dor pela morte do marido, o diretor de fotografia Edward Klosinski, ao mesmo tempo em que interpreta o papel de uma mulher entediada com o casamento e incapaz de superar o luto pela morte dos dois filhos na guerra.

Depois de um período de menos inspiração, na década de 90, Wajda dá sinais, aos 83 anos, de estar em plena forma. No ano passado, a 32ª Mostra exibiu “Katyn”, filme que reconstitui o massacre de milhares de oficiais do Exército polonês por ordens de Stálin, durante a Segunda Guerra Mundial. O cineasta, cujo pai foi uma das vítimas de Katyn, sonhou por anos em levar a história deste massacre às telas, mas só conseguiu fazer isso em 2007.

Dupla homenagem de Wajda, à atriz e ao diretor de fotografia de vários de seus filmes, “Alga Doce”, diferentemente da super-produção anterior, é um filme intimista, silencioso, delicado. Uma parte da narrativa se passa dentro de um quarto, onde Krystyna Janda tenta superar o luto pela morte do marido, e outra parte numa cidadezinha no interior, onde Marta, a personagem vivida pela atriz, vislumbra num jovem simplório de 20 anos a luz para o seu tormento.

Um filme difícil, duro, para quem entende o cinema também como um espaço de reflexão.

“Alga Doce” será exibido neste sábado, às 16h10 no Espaço Unibanco Pompéia; domingo (25/10), às 18h, no HSBC Belas Artes; segunda-feira (26), às 19h, na FAAP, e dia 2/11, às 19h20, no Espaço Unibanco. Mais informações, e um trailer do filme, no site da Mostra.

2 Replies to “O diretor, a atriz e o luto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *